Ao todo, 20 haitianos e venezuelanos participaram da iniciativa realizada pelo Instituto Lojas Renner em parceria com a Organização Internacional para as Migrações

A noite desta terça-feira (6) foi especial para os 20 formandos do curso de costura básica do SENAI de Criciúma. Executado pela instituição de ensino e custeado pelo Instituto Lojas Renner, o curso proporcionou qualificação e abriu novas portas para o mercado de trabalho.

O projeto realizado pela Renner em parceria com a Organização Internacional para as Migrações e SENAI proporcionou a qualificação de 20 haitianos e venezuelanos residentes na região. Uma delas foi Danise Mesidor, de 33 anos, que há seis anos reside em Criciúma. “Vim do Haiti com a minha família, meu esposo e três filhos. Estava desempregada e a oportunidade deste curso me fez feliz. Sabia costurar um pouco, mas aprendi muito mais”, garante Danise.

A formatura, que ocorreu no auditório do SESI, em Criciúma, contou com a presença dos representantes do Instituto Lojas Renner e das empresas Ease Confecções e Vanelise Confecções e da Cáritas Diocesana. 

“Esta iniciativa tem como principal objetivo fazer com que os alunos que se formam hoje, sejam contratados pelas empresas da região que prestam serviços para a Renner”, enaltece a supervisora dos cursos de curta duração do SENAI, Izamara Fabre Custódio.

Para o co-fundador da Redvolution 21 e parceiro operacional do Instituto Lojas Renner SA, Luciano Torrens, a formatura só reforça a missão de gerar um círculo virtuoso que tange a geração de renda de uma comunidade. “Todos temos a missão de proporcionar cidadania e fazer com que os migrantes se sintam filhos do Brasil. Eles nos inspiram a continuar o nosso trabalho”, enaltece.

A mesma ideia é compartilhada pela a gerente executiva do SENAI Regional Sul, Graziela da Silva Branco. “Temos um propósito no SENAI e no SESI que é de melhorar a vida das pessoas. E como melhorar a vida das pessoas se não for pela educação? O conhecimento empodera, dá segurança e traz autorrealização. E nós esperamos que o aprendizado não pare por aqui. A área do vestuário é o que mais emprega na nossa região e todos nós precisamos de pessoas determinadas como as que estão aqui se formando”, explica Graziela.

De acordo com o vice-presidente da FIESC Regional Sul, Diomício Vidal, os profissionais irão desempenhar com grande alegria o trabalho que estão dispostos a realizar na indústria. “Temos a característica de formar pessoas interessadas no amanhã, em fazer a diferença para o mundo e todos os que aqui estão também fazem parte deste grupo”, reforça Vidal.

Inscreva-se e receba semanalmente por e-mail as atualizações da indústria de Santa Catarina